Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

De bailarina a b-girl

Ai, me descobriram.

Confesso, sou uma dançarina. De balé? Não, bem que tentei. Plié, cambré, arabesque, battement arrondi. Era demais pra mim. Muita força e delicadeza, disciplina e postura, tudo ao mesmo tempo.

Resolvi descambar pra um tipo de dança menos complexa: street dance, a dança de rua. Sim, estou sendo sarcástica; a dança de rua é tão difícil quanto o balé. Lock, pop, break, freestyle. Isso significa giros de corpo, saltos, chutes, balanço de tronco e ombros. Ainda é demais pra mim. Mas, agora, em todos os sentidos.

A batida do baixo e da discotecagem, o movimento marcante, preciso, simétrico ou não, a expressão do corpo e do rosto, a cultura que veio do gueto, tudo isso me cativou. Percebi que a dança de rua é um estilo de vida: nas roupas, no linguajar, nas músicas. Passei a conviver com o rap, o hip hop, MC's, DJ's, b-boys e b-girls, batalhas de dança, seqüências de coreografias quase impossíveis de se fazer (isso me lembra alguma coisa... seria o balé?).

Dizem que o balé é a transformação de uma dança primitiva - baseada em instintos - em movimentos coreografados, com ligações e gestos elaborados. A dança clássica exige rigidez e forma. No street, também há técnica, mas o que importa mesmo é o estilo e a atitude de quem dança. Há liberdade em fazer os movimentos, cada um pode criar o seu. São movimentos coreografados com a volta dos instintos.

A dança de rua é quase como um espasmo. Voluntário ou não. Faz querer dançar mesmo sem saber.

E aí, vamos de pas de deux ou de break?



Antes que perguntem, não estou no vídeo; foi só para exemplificar. Essa é Yeya, uma dançarina sueca que dá workshops de street dance.

4 comentários:

Cesar disse...

Eu vou de rock! É mais fácil...
ahahhahhahahha

Jack Keysy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jack Keysy disse...

Sou bgirl e dançarina de outros estilos urbanos.AMO DANÇA URBANA confesso que faz parte de minha vida,mas estou fazendo ballet,pra mim tornou-se necessário ampliar conhecimentos...experiências nunca é demais....paz a todos!

Anônimo disse...

Pois eu gosto de desafio,pra mim uma coisa melhora a outra:adoro ser bgirl no força jovem da Igreja Universal,danço reggae,fiz balé,kung fu,tai chi chuan,já joguei futsal amador,sou líder e coreógrafa de um grupo de dança que envolve TODOS os estilos de dança(dança de salão,hip hop,anos 80,dança latina...) e o meu estilo é esse!(embora a dança seja o principal,não importa o ritmo).
Yvyna Byanca-Beberibe(CE)