Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 19 de maio de 2009

Movimento dos Sem Movimento















Numa tarde de quarta-feira, em abril, peguei a BR 174, saindo de Cuiabá para o interior do Mato Grosso. A viagem até meu destino tem cinco horas de duração, em média. Não fosse pelos buracos e desníveis da pista, o trajeto estava perfeito: nenhum (ou quase nenhum) caminhão na estrada e até o clima, sempre tão quente e úmido na região, ajudou, já que estava nublado e um tantinho mais fresco.

Peraí, nenhum caminhão na estrada? Até o motorista estranhou. Descendente de japonês, nascido em Marília (SP) e morador do Mato Grosso há mais de 20 anos, seu Mikió - que eu insistia, sem querer, em chamar de sr. Miyagi, o instrutor de Daniel-san no clássico Karatê Kid - era acostumado a fazer aquele percurso quase toda semana e disse não ser nada normal a falta de caminhões. De tempos em tempos, dava um sorriso alto e largo e bramava: “Estamos com sorte!”

Não era sorte; descobriríamos mais à frente, logo após passar por um posto de gasolina e ver cerca de 30 caminhões parados no pátio do posto. Logo após, também, parar em um posto na cidade de Cáceres e ouvir um zumzumzum entre brasileiros e bolivianos (Cáceres fica a 30 km da Bolívia) sobre um certo bloqueio na estrada. E logo após, finalmente, chegarmos ao tal bloqueio.

De longe, avistamos uma fila de carros e caminhões a perder de vista. Os motoristas, em pé, sentados na calçada, parados olhando para o tempo como o cara aí da foto, reunidos em grupinhos, até jogando um baralho. Uns balbuciavam reclamações, com semblante cansado ou preocupado. Outros arriscavam uma soneca, deitados em seus veículos. Mikió, devagarinho, foi ultrapassando quantos deu, já que a contramão estava livre, até que parou entre dois caminhões e resolveu descer para perguntar o que estava acontecendo.

Descobrimos o que sr. Miyagi já havia palpitado assim que vimos os veículos parados: era uma barreira do MST. Manifestantes do Movimento dos Sem-Terra bloquearam a rodovia, como parte do “abril vermelho”, em que eles fazem mobilizações e invasões no país todo para relembrar a morte de 19 integrantes do movimento, num confronto com a polícia militar, em Eldorado do Carajás (PA) há 13 anos. Os sem-terra também reinvidicavam o assentamento das famílias acampadas há mais de cinco anos às margens da pista e uma linha de crédito específica para a produção agrícola nos assentamentos.

Fiquei pensando no poderio que o MST adquiriu, à base da força, nos últimos anos. A interdição no Mato Grosso teve a presença de mais ou menos 130 manifestantes, que tinham em mãos enxadas e foices. A rodovia ficou fechada de sete da manhã às seis da tarde, com passagem liberada apenas para ambulâncias. A maioria dos carros desviou por uma estrada de terra; por isso, a barreira prejudicou principalmente aos caminhões. No fim, os prejudicados viram prejudicadores e sai todo mundo no prejuízo.

Minha sorte e de meu amigo japa seu Mikió foi que chegamos ao bloqueio às 17:30h e esperamos só meia hora para dar seguimento ao trajeto. Pior foi, aberta a rodovia, enfrentar aquele trânsito infernal e ultrapassar caminhões até chegar à cidade para onde íamos. Depois, fiquei sabendo de mais bloqueios nos dias seguintes. Na volta, pedi para viajar de noite e não correr o risco de ficar parada na estrada novamente.

O certo é que os movimentos “dos sem”, em geral, começam com uma causa nobre e acabam virando um monstrinho. Até entendo a máxima que diz “se não vai pelo amor, vai pela dor”, mas a violência e a insensatez fazem com que, no fim, alguém saia perdendo e não o contrário. O dos sem-terra é um movimento emblemático, mas dá para citar outros, como o dos sem-teto, sem-universidade e – pasmem! – dos sem fibra ótica, em Portugal. Até movimento dos sem-namorados inventaram agora. Esse, claro, nasceu como uma brincadeira, assim como o dos sem-praia.

Mas, do jeito que tá todo mundo doido, vai que eles inventam de se tornarem sérios. Vai que o dos sem-namorados resolve fazer barreiras aos restaurantes, hotéis e locais românticos em 12 de junho. Ou vai que o dos sem-praia sequestre os siris, por um pedaço de areia e mar. Hoje, quem não se filia, se arrelia. Vou me filiar ao Movimento dos Sem Movimento. Quero um movimento para mim também. Já.

4 comentários:

Clarinha disse...

"Ideologiaaaaaaaaaaaaa, eu quero uma pra viveeer!"

Ana Guimarães disse...

É gente... não há como fazer um omelete sem quebrar alguns ovos, então vamos lá. Justo, justíssimo o protesto do MST para lembrar a sempre lembrável tragédia de Eldorado dos Carajás. Mais justa ainda a luta pela reforma agrária nesse país. Se os métodos do movimento são legítimos ou não, é certo que há virtude na causa. O que não é certo é que uma questão tão importante apareça no nosso cotidiano somente quando enfrentamos, levianamente irritados, um simples engarrafamento. Sejam como forem os manifestantes, estão fazendo mais pelo país do que grande parte da população. Triste, muito triste, a alienação de um país que prefere desmerecer um movimento ou seus participantes a abraçar uma causa que é de interesse de todos.

Lelê disse...

Há que se fazer omelete, mas quebrando os ovos do jeito certo. Funcionaria se simplesmente os espatifássemos no chão? Não sou contra a causa dos sem-terra quando ela se trata do apoio aos assentamentos e às famílias. É justo mesmo chamar à atenção para uma data que ficou marcada por uma tragédia. Sou contra, sim, a maneira com que eles brigam. Garanto que os caminhoneiros que chegaram ao pontos de perder suas cargas por um "simples engarrafamento" de 12 horas não ficaram só levianamente irritados. E o que dizer das terras privadas que os manifestantes invadem para derrubar árvores e destruir plantações? Ou das áreas de pesquisa da Embrapa, onde eles fazem a mesma coisa. É esse o interesse de todos? Dessa maneira eles estão fazendo mais pelo país? Acho que não. Não se combate a ilegalidade com mais ilegalidade ainda, nem a injustiça com mais injustiça.

João Neto disse...

Não sei de nada. Mas o funcionamento do ser humano é intrigante: é conivente - quer dizer ao mesmo tempo: pisco o olho, dou uma piscadela, fecho os olhos (in Fragmentos do discurso amoros, de Roland Barthes). O MST manifesta em lugar errado, é como se o santo baixasse numa bigorna. Triste o problema agrário brasileiro. Irresolvível. Abraços.