Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 15 de março de 2012

O dia em que não fiz a prova do Senado

O destino da prova era diametralmente oposto à minha casa. Atravessaria a cidade toda para fazê-la e tinha febre. Gripe. Não me sentia preparada. Não tinha estudado o suficiente. Não via sentido em fazer uma prova para ganhar experiência. Não queria encontrar os amigos, teoricamente mais bem-sucedidos que eu, abarrotados de papéis e apostilas rabiscadas, lidas e relidas à exaustão. Não queria pensar no valor pago pela inscrição nem nas desculpas que daria a quem me perguntasse se fui bem. O corpo mole, as pernas vacilantes e a tosse estranhamente me traziam a sensação de estar viva, de pertencer àquele corpo doente, perecível. Tinha medo também. De encarar talvez o que muitos colocam como objetivo maior de suas vidas, ainda que momentaneamente. Medo de gritar ao mundo que eu não me importava com a prova do Senado. O salário é tão alto e tão superior às necessidades básicas que é um vexame não almejá-lo. Compra sonhos. Quem não quer é, no mínimo, preguiçoso.

Há três ou quatro meses, a cidade se dividiu. De um lado, os esforçados, responsáveis, comprometidos com seu crescimento. De outro, os fanfarrões, encostados em um salariozinho qualquer. De todos os lados, respingava em mim aquele sentimento de cobrança. Busquei explicações. Estava me sabotando? É mediocridade esse desânimo para estudar? Ainda não sei as respostas. Sei que naquele domingo fazia sol, a cidade estava coberta de um amarelo lustroso e convidativo. Eu sei, eu sei... muitos outros dias de sol virão. Sei também que perderei o sossego um dia, rangendo os dentes diante de uma prova qualquer, seja do Senado ou não. Sei que olharei para os aprovados conhecidos com a certeza de que eu poderia estar ali. Muitos serão os sofismas. “Eu estou satisfeita com o meu emprego atual” ou “Tenho que resolver a vida já?” ou até “Na verdade acho os salários ofensivos e injustos e não quero compactuar com isso”. Em todas as argumentações, parte é verdade.

O que incomoda é essa sensação de não ter feito o que deveria. E quando meu nome constar na lista de aprovados? Poderei então cumprimentar parentes e amigos com a sensação de ser uma pessoa respeitável? Terei aquele olhar de quem chegou lá? Plasmarei aquela áurea de opulência e satisfação? Terei jóias, roupas de grife e uma prestação da casa própria? É isso, então, o que me espera quando adentrar a lista dos que venceram? Continuo sem saber as respostas. Sei que naquele domingo escolhi um bom restaurante e um bom prato. Pedi sobremesa também. Perguntei ao garçom se ele achava que eu merecia e ele respondeu que sempre. Pode ser que esteja acomodada mesmo. Pode ser que esteja feliz.

Nenhum comentário: