Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Fale bonito, mas diga alguma coisa

A soma entre redes sociais, google e pseudo-intelectualismo resultou numa coisa, no mínimo, interessante. É que todo mundo virou poeta, sábio e filósofo – ou, pior, especialista em frases de efeito.

Por um lado é bom. Resgata-se personagens da História eventualmente esquecidos e fala-se (momentaneamente) mais bonito. Por outro lado, soa falso. Não confio em quem resolve falar de maneira rebuscada e não tem razão para isso. Nem em quem o faz sem o costume disso. Nem em caras de bigode.

Porque na vida não-virtual, não são assim (excluindo o cara de bigode, talvez). O ser humano médio atual não lembra mais de Confúcio. Talvez nem saiba quem foi Schopenhauer. Nem conhece as contribuições de Aluísio Azevedo para a literatura brasileira. Não me excluo tanto dessa conta – pode ser que saiba um pouco mais porque gosto do assunto e sou comunicadora, além de filha de um poeta, professor de língua portuguesa e amante da filosofia.

Mas, tudo bem, ninguém é obrigado a gostar ou saber de literatura ou filosofia. Há quem prefira a física quântica e ache beleza nas estruturas matemáticas em matrizes. E, ok, é seu direito postar uma frase carregada de sentimento no seu Facebook, como um velho “...que não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure” – que, na minha opinião, perdeu a beleza depois de ter virado clichê – ainda que você não saiba quem é o autor, nem que isso é um soneto (muito menos o que é um soneto).

Nada mais natural do que querer compartilhar com amigos e conhecidos o que a gente gosta. Ressalte-se aí nessa frase o “gosta”. Porque existe o “parecer que gosta”, o que leva à tal enxurrada na rede de frases de efeito, vazias, descontextualizadas, que se tornam até simplórias de tão mal usadas.

Há ditos que falam por si só e exprimem a exata noção do que o autor queria transmitir. Outros só foram criados em função de acontecimentos específicos. Há ainda os que surgem exclusivamente das caraminholas dos pensadores. Porque os gigantes da literatura e da filosofia que me perdoem, mas até eles de vez em quando diziam “coisa com coisa”. Para mim, claro. Licença poética à parte e todas as licenças possíveis; sabe-se lá o que estavam pensando na hora em que escreveram.

Fato é que “Até que o sol não brilhe, acendamos uma vela na escuridão” – já que falei de Confúcio – não me quer dizer nada, a não ser o óbvio, quando publicado no Twitter de alguém que está preso em casa por causa da chuva, mora numa cidade que sofreu blecaute ou está deprê porque tomou um fora.

E Shakespeare que me perdoe, mas “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que supõe a nossa vã filosofia” me soa como papo de bêbado em boteco do século XVII. A fala bonita parece inteligente, mas tirada de contexto não passa de meras palavras soltas. É por isso que não tem tanto sentido no seu Facebook quanto em Hamlet.

Mas a gente insiste em querer soltar as tais frases de efeito.

O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos.” (essa é do Veríssimo, só para constar. Ah, sim, eu achei no google)

6 comentários:

Clarinha disse...

E Clarice Lispector? Todo mundo do FB brasileiro é fã dela. Ou parece ser, heheh.

Letícia disse...

Verdade!

Aline Espíndola e Fabiana Carvalho disse...

Boa reflexão! Um viva à Clarice, Caio Fernando de Abreu, Fernando Pessoa e Arnaldo Jabor. Reis dos clichês facebookianos. É, minha cara, esta é a literatura fast-food dos novos tempos. We're welcome!

João Neto disse...

Ai, só me resta o Tim Maia: "Tudo é tudo e nada é nada". Abraços a todas aí!! João

Aline Espíndola disse...

Taí o problema, as meras palavras soltas. Há quem diga, mas poucos fazem.

Tatiana Monte disse...

Olá, estava passando por ai e conheci teu blog!
Bom, eu discordo um pouco, o facebook é uma maneira - imatura talvez, ainda- de se colocar, o tema pode ser frases prontas, amor, sei lá o que..Mas é uma maneira de se colocar, ter um ponto de vista!
Muitas pessoas antes do facebook, não tinham espaço de opinião - até mesmo pelo seu discurso, falta de conhecimento- Pois bem, apesar de servir uma cultura de massa, esta rede social está propiciando discussões!
Muito blogs, escritos, maneiras de se colocar é uma nova era!
e como vc mesmo disse, aqui é um país de terceiro mundo. Não podemos cobrar que o povo entenda Shakespeare, mas podemos ter as redes e os blogs como ferramente de indignação.